Mortal Kombat 9: 20 anos depois reconquista fãs!


Joguei Mortal Kombat em 1991 nos fliperamas e matei muita aula para fazer isso! Joguei também muitas outras versões, até a versão que tinham combates estilo tetris. Vários sites e revistas especializadas em games frisaram que desde a continuação Mortal Kombat 2 (92), todas as sequências mais falharam do que acertaram, opinião que concordo plenamente. Sem nostalgia o Mortal Kombat bom até aqui foi o primeiro. Passaram vinte anos para uma geração de console fazer funcionar o que deu certo á duas décadas atrás. Mortal Kombat 9 é lindo, cruel, e contém todas receitas que eram aproveitáveis dos outros MK.

Os gráficos dos lutadores não ficaram supremos, faltaram mais texturas, em compensação os cenários ficaram espetaculares. Locais famosos da série como a Ponte e Piscina da morte ficaram muito caprichados, cheios de detalhes ao fundo! E agora é possível usar oito cenários como stage fatality.

A jogabilidade irá surpreender muitos jogadores de tão perfeita que ficou. É possível dar combos simples, combos em dupla (isso mesmo!), e como todos sabem pelo a demo que foi liberada, o novo golpe para cada lutador chamado de Raio-X. Esse golpe é preciso que a barra de energia esteja completamente cheia, e quando usado faz um estrago no adversário em um belíssimo visual, mostrando os ossos que foram quebrados, os dentes que foram arrancados ou o órgão atingido. No início muitos estranharão o bloqueio, é usado o botão R2. Nada que 10 minutos no tutorial de golpes que ficou bem explicativo e jogável – inclusive, acho que todo tutorial deveria ser desse jeito. Cada lutador possui dois fatalities (menos Kratos, irão vender em DLC), todos os golpes fatais fazem referência aos games antecessores, e ficaram além de sanguinários, bem criativos. Os jogadores do Playstation 3 ainda irão contar com a participação especial de Kratos com direito ao cenário que o Spartano destruiu Zeus! Kratos parece que fazia parte da série há anos, mas ele não encontra-se no modo História, o que é justo.

A NetherRealm manteve os tradicionais modos de batalha: Arcade, Versus, Multiplayer (que ainda não testei, adivinha porque?). As novidades ficaram por conta dos modos torre dos desafios, torneio em dupla, mini-games e o modo história. Torre dos desafios como o nome sugere são 300 andares de determinadas tarefas: vencer com a barra de energia no fim, executar certa quantidade de combos em tempo determinado, ficou bem interessante e irá render algumas horinhas extras de diversão. Os Mini-games são mais para os fixionados pela franquia, embora, fazer um sorteio de barra de especial extra, ou desabilitar as cabeças dos lutadores é divertido. Pegando o exemplo de Marvel x Capcom em MK também é possível jogar no modo Torneio em duplas, é possível fazer combos chamando o outro integrante e interromper combos dos adversários chamando o parceiro. A cereja do bolo sem duvida alguma é o modo Story! Aqui é possível saber todo um flashback da história original de Mortal Kombat, contada através das visões enviadas por Rayden do futuro para o do presente. Essas previsões indicam que o mundo está próximo de ser aniquilado por Shao khan. Jogamos com quase todos os personagens durante o enredo, as legendas em português ajudam bastante aqueles que têm dificuldade com inglês (é preciso acioná-las nas opções).

E como se tudo isso não fosse bastante, ainda é possível habilitar uma quantidade absurda de extras com o dinheiro adquirido durante as campanhas na velha Kripta. Mortal Kombat chegou novamente para fazer história com a forma eficiente de 20 ano atrás.

Nota do Dude: É obrigação para qualquer gameiro para os veteranos e para os novatos. E nosso blog sempre irá apoiar empresas que preocupam em trazer para nosso país games ao menos com legenda em português. O pessoal da Warner mais o produtor Hector Sanchez, estão de parabéns pela ótima campanha de marketing de lançamento do game em São Paulo.


Gameplay de Kratos:


Video feito por alguém presente no lançamento em São Paulo:



  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

1 comentários:

Daniel Pinheiro da Silva disse...

É... fiquei mais afim ainda de ter esse jogo... Minha hora ainda vai chegar... Bacana a análise.

Postar um comentário